14 fevereiro 2008

A hora do Arquivo

O arquivo municipal de Paredes de Coura está prestes a entrar em funcionamento. E ainda bem! Um arquivo municipal não é uma obra que conquiste votos: pouco ou nenhum interesse terá para o comum dos mortais; não dá dinheiro a ganhar à terra, não é um factor de atracção de pessoas ou bens. Mas, também por isso é uma obra que se saúda. E que se aplaude.
Não é qualquer autarquia que resolve investir num equipamento género quando, provavelmente com menos trabalho e maior efeito, podia construir outra coisa qualquer: um novo jardim, uma rotunda mais vistosa, etc. Não, um arquivo não é bem visto, pese embora o bom resultado conseguido na reutilização da fachada da antiga Casa do Couçoeiro. Para muitos não passa de mais um edifício público, daqueles onde é raro entrar e que, por isso, não está ali a fazer nada.
Nada mais errado! O arquivo municipal é mais, muito mais, que um edifício. É toda uma estrutura que tem com objectivo principal a manutenção da memória, da história, de um povo, de uma terra, de uma ou várias culturas. Também por isso mesmo a Câmara Municipal de Paredes de Coura apelou, nos últimos tempos, à doação de documentos por parte de todos os que tivessem qualquer coisa que contribuísse para o enriquecimento da memória colectiva courense.
Como é sabido as minhas raízes não são de cá, por isso não posso dizer que tenha algo para oferecer ao arquivo. Mas, se assim não fosse, podem estar certos que não teria qualquer problema em ajudar uma entidade que promete zelar pela história do concelho. Em nome de todos! Não sei quais os resultados obtidos por essa campanha de sensibilização, mas espero que tenham sido, no mínimo, muito bons. De que adianta ter em casa um documento de suprema importância se não podemos partilhar a sua importância com os nossos conterrâneos, enfim, com todos os que podem aceder a essa informação num equipamento como um arquivo municipal.
De saudar também, a posição do presidente da Câmara que, confrontado com a recente substituição do titular da pasta da Cultura e a impossibilidade de trazer o novo ministro a Coura na data prevista e já confirmada para a inauguração do arquivo municipal, não teve qualquer problema em dizer que o que interessa é colocar este equipamento ao serviço da população, não importando quem o inaugura. Ainda bem que é assim.

3 comentários:

  1. Eduardo Cerqueira14 fevereiro, 2008 18:27

    Bem observado Eduardo. Quanto à recolha penso que os Courenses e quem tem materiais de interesse para Paredes de Coura, devem doá-los ao Arquivo, em próprio já o fiz e alguns membros da minha família também. Em boa hora vemos a Casa do Couçoeiro reconstruída, bem como a ermida do Senhor da Cana Verde (imagem do Senhor Ecce Homo).

    ResponderEliminar
  2. Concordo contigo Eduardo. O Presidente da Câmara fez muito bem em não aguardar que venha alguem de Lx para inaugurar o Arquivo Municipal
    O Arq. Municipal é bem mais do que um edifico, também concordo contigo, e ainda bem que o construiram.
    O edificio em si está muito bonito.

    SB (de LX)

    ResponderEliminar
  3. ja está acabado??? e as janelas e as portas??? e a estupidez de colocar escadas e não rampas nos acessos da parte de trás???

    ResponderEliminar

Agora que leu, pode deixar aqui o seu comentário. Já agora, com moderação e boa educação! O Mais pelo Minho reserva-se o direito de não publicar comentários insultuosos. Quaisquer comentários inadequados deverão ser reportados para o email do blogue. Muito obrigado!